Uso do PJe 2.X nos JEFs da 5ª Região será obrigatório a partir do dia 1º de julho 

Imagem: PJe 2.X passa a funcionar a partir do dia 1º nos JEFs

PJe 2.X passa a funcionar a partir do dia 1º nos JEFs

Fonte: Ascom TRF5

A partir do dia 1º de julho, entra em vigor a Resolução nº 9/2022 do Tribunal Regional Federal da 5ª Região - TRF5, que torna obrigatório o uso do sistema Processo Judicial Eletrônico Versão 2.X (PJe 2.X) para os Juizados Especiais Federais (JEFs) da 5ª Região. A medida, aprovada pelo Pleno do Tribunal Regional Federal da 5ª Região - TRF5 no início deste mês, tem o objetivo de uniformizar os sistemas de processo eletrônico em funcionamento na 5ª Região, atendendo às exigências do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

De acordo com a Resolução TRF5 nº 9/2022, a obrigatoriedade da utilização do PJe 2.x para a propositura e tramitação de ações que tenham classes de competência dos JEFs, incluindo incidentes processuais e ações conexas, no âmbito da Justiça Federal da 5ª Região (JF5), considera a estratégia do TRF5 de uniformizar os sistemas de processo eletrônico atualmente em funcionamento no âmbito de sua jurisdição, com o objetivo de padronizar procedimentos e diminuir os custos de manutenção e melhorias do sistema, e a necessidade de aprimoramento dos serviços prestados aos jurisdicionados pelo Tribunal e pelas Seções Judiciárias vinculadas.

Segundo o normativo, os processos que atualmente tramitam no sistema Creta permanecerão no Creta. Contudo, a partir do dia 1º de julho, novas ações com classes de competência dos JEFs não poderão mais ser ajuizadas nesse sistema.

Transição Creta - Pje 2.X

Para que a transição entre o Creta e o PJe 2.X seja tranquila, o TRF5 está trabalhando intensamente na implantação de novas funcionalidades no sistema, colaborando com o CNJ. “Quando a obrigatoriedade estiver estabelecida, a funcionalidade de integração ao Sistema Eletrônico de Assistência Judiciária Gratuita (AJG5), que gerencia as perícias da Justiça Federal, já estará disponível. Além disso, o TRF5 está trabalhando para que, no segundo semestre, também seja disponibilizada a ferramenta de expedição de precatórios e RPVs (Requisições de Pequeno Valor), para além de um novo módulo de sessão de julgamentos. Ou seja, no segundo semestre, a plataforma já estará incrementada, oferecendo ao usuário uma melhor experiência”, avisou o juiz federal auxiliar da Presidência do TRF5, Marco Bruno Miranda.

Em paralelo, a fim de dar a devida assistência aos usuários, o Tribunal também está investindo em capacitação. A Diretoria Judiciária da Corte organizou um cronograma de novos treinamentos, a partir de agosto, já com seis turmas montadas, cada uma com 120 vagas. “Assim como já existe uma cultura de gestão no Creta, a ideia é repetir uma cultura de gestão adaptada ao PJe 2.X”, antecipou Marco Bruno.

Vantagens

A obrigatoriedade do uso do PJe 2.X no âmbito da Justiça Federal da 5ª Região também atende ao disposto na Resolução CNJ nº 185/2013, que instituiu o PJe como sistema informatizado de processo judicial no âmbito do Poder Judiciário, e ao disposto na Resolução CNJ nº 335/2020, que instituiu a política pública para a governança e gestão de processo judicial eletrônico com a criação da Plataforma Digital do Poder Judicial Brasileiro - PDPJ-Br, mantendo o PJe como sistema de processo eletrônico prioritário do CNJ.

Além disso, o PJe 2.X é um sistema mais seguro, ágil, inteligente, de baixo custo e autônomo. A servidora Adélia Maria Cavalcante Viana, lotada na 15ª Vara da Seção Judiciária de Pernambuco, afirma que a utilização desse sistema requer assinaturas digitais, o que o torna mais seguro em relação a outros. “A vulnerabilidade de alguns sistemas pode causar sérios problemas à prestação jurisdicional como um todo. A utilização de assinaturas digitais no PJe 2.x, por exemplo, imprime grande segurança ao processo, já que dessa forma é possível identificar quem executou cada ação, especificamente”, explica.

Já o servidor Ítalo Martins Vieira, da Seção Judiciária do Ceará, que também ministra capacitações sobre o PJe 2.X, enfatiza o benefício da uniformidade dos sistemas processuais: “é uma característica muito positiva, uma vez que o PJe 2.x será adotado em todo Brasil. Com isso, já não se justifica a utilização de diversos sistemas em uma única unidade jurisdicional, otimizando o tempo de trabalho do servidor nos processos e conferindo celeridade aos trâmites”.

Live

Para auxiliar os usuários internos e externos do PJe 2.X nesse processo de transição, a JF5 organizou uma live com a juíza federal Polyana Brito, da Terceira Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais da 5ª Região, e o diretor da 14ª Vara da Justiça Federal em Alagoas (JFAL), Felipe Barbosa Martiniano. A magistrada irá falar sobre as vantagens do sistema e a necessidade da sua obrigatoriedade. Já Felipe se encarregará de falar sobre as funcionalidades e o uso do sistema no dia a dia, além de tirar possíveis dúvidas dos usuários.

O encontro virtual acontecerá no dia 30 de junho (quinta-feira), às 17h, no canal da JFAL no Youtube (https://www.youtube.com/channel/UCIKzh5bJgMi6GLtxQ6kZiAg). A mediação do evento ficará a cargo do juiz federal auxiliar da Presidência do TRF5, Marco Bruno Miranda.

Confira abaixo a íntegra da Resolução TRF5 nº 9/2022:

Por: Assessorias de Comunicação da Justiça Federal da 5ª Região
Institucional
Serviços
Concursos
Comunicação
Juizados Especiais
Turma Recursal
Transparência
Plantão Judiciário
mapa do site

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.
A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em consonância com a nossa Política de Privacidade.